O ESTUDO DA PRÁTICA DO CULTO

A QUEM ADORAMOS? UM CRISTO MORTO OU UM CRISTO RESSURRECTO?”

Os tipos dos livros históricos: A Páscoa (ou o sacrifício) e a importância do terceiro dia: A questão do dia da preparação da Páscoa, que era quinta-feira, e não sexta-feira, mas era considerado sagrado. Era contado como parte da Páscoa, oficialmente. Nesta quinta-feira, Jesus começou o seu trabalho redentor ao estabelecer a Ceia com os seus discípulos (Jo 13). Não devemos contar o sacrifício de Cristo começando da sexta-feira, mas sim do fim da quinta-feira, no dia da preparação. Quanto ao sacrifício, não poderia ser comido no terceiro dia, pois era o dia da ressurreição do Cordeiro: “E, quando oferecerdes sacrifício pacífico ao Senhor, da vossa própria vontade o oferecereis. No dia em que o sacrificardes, e no dia seguinte, se comerá; mas o que sobejar ao terceiro dia, será queimado com fogo. E se alguma coisa dele for comida ao terceiro dia, coisa abominável é; não será aceita” (Lv 19:5-7).(2) 2 Reis 4:18-37: Um tipo perfeito da morte de Cristo, inclusive sendo colocado sobre uma cama, denotando o seu pronto despertamento. O menino ressuscitou depois de três tentativas, incluindo a tentativa de Geazi. Três aqui é um tipo dos dias.g. A visão do salmista Davi: O salmista Davi profetizou a respeito da sua Ressurreição:(1) Salmo 8:5-9: O Salmo fala da sua vitória sobre a morte e sobre a humanidade. Sua coroação de glória e de honra é vista depois de sua ressurreição.(2) Salmo 16:10,8-11 (At 2:22-28): Que ele não seria abandonado no Hades, nem seu corpo veria a corrupção, isto é, a decomposição (At 2:30-32).(3) Salmo 17:15: Que ele veria a face de Deus novamente (Sl 73:23-26).(4) Salmo 18:14-46: Neste texto estão todos os detalhes da ressurreição de Jesus (especialmente os versos 19 e 28), porém a mensagem do texto é o seu trabalho durante a sua morte, ainda no Calvário, quando sua alma se desligou de seu corpo depois de sua volta do Santuário para levar o sangue do Novo Testamento (Cl 2:14,15). Este Salmo não é o único que fala da morte e da ressurreição de Jesus, mas fala a razão pela qual ele ressuscitaria: Pelo fato de ter cumprido a Lei cabalmente (Sl 18:20-28). Aqui está o verso mais importante do livro, onde está contida a razão pela qual Jesus venceu a morte, e porque a morte não pôde detê-lo na sepultura nem no Hades. A justiça da Lei era estabelecida sobre aquele que a cumprisse: o homem que praticasse esta justiça reviveria por ela. A ressurreição é anunciada aqui de forma gloriosa. Ele venceu a morte e a morte sabia que ele não podia ser detido, pois ele cumpriu a Lei. Ele triunfou porque cumpriu a Lei. Segundo a profecia de Moisés, que também foi um protótipo de Cristo (Rm 5:14). Por isso, ele apareceu vivo na transfiguração e Satanás saiu à procura de seu corpo. O poder de Cristo fez que ele entrasse na sepultura baseado na glória do seu ato ao cumprir a Lei. O “homem” aqui é um só: Cristo! Não há outro. Outros são apenas tipos. Ele foi selado pelo Pai (Jo 6:27). Ele nasceu do Espírito, gerado pelo Espírito. E todos aqueles gerados pelo Espírito Santo a morte não tem poder de separá-los do amor de Deus! O poder da morte era visto pela separação que ela estabelecia entre os filhos dos homens e Deus, eternamente. Mas, quando a justiça de Cristo é anunciada pela nossa fé, advinda pelo arrependimento das obras mortas e pelo testemunho público do batismo que, por sua vez, declara que estávamos nele na ocasião de sua morte, começamos a usar o direito de triunfar sobre a morte. A sentença dada sobre Adão, a pena capital, chegava livremente a todos os homens, mesmo sobre aqueles que não pecassem à semelhança de Adão. Ao cumprir a Lei, Jesus triunfou sobre esta sentença: Romanos 10:5: “Porque desta justiça, que é pela lei, Moisés profetizou assim: O homem que cumprir estes juízos viverá por eles”. (Cf. Lv 18:5; Gl 3:12; Ne 9:29; Ez 20:11; 13:21; Rm 7:10.)(5) Salmo 22:7-9: Ele faz a comparação entre a complicação do seu nascimento (Sl 71:6) com a sua retirada do seio da terra (Mt 27:41-43).(6) Salmo 24:7-10: Aqui temos a sua ascensão à glória, incluindo a sua primeira entrada após a sua ressurreição (Jo 20:17; Sl 24:7,8) e a sua entrada definitiva na sua ascensão (Sl 24:9,10; At 1:11; Dn 7:13). Quando foi apresentado aos anjos e ao Pai, onde recebeu o cetro, a coroa, depois de ter sido ungido como Rei (Hb 1:2-14).(7) Salmo 40:6-11: Fala do seu trabalho durante o seu ministério e a sua mensagem diante da grande congregação que estava no Hades, a qual ele transportou para Sião (Sl 68:17-18) por meio da sua ressurreição.(8) Salmo 49:15: O pedido na profecia messiânica que ele fosse redimido da sepultura.(9) Salmo 68:17: Ele subiu vitorioso aos Céus e foi apresentado ao Pai (Dn 7:13,14).(10) Salmo 68:18: Ele ressuscitou e subiu (do Hades) aos Céus para dar os dons dos cinco ministérios (Ef 4:9-11).(11) Salmo 68:22: Ele tinha as saídas da morte com ele.(12) Salmo 68:21-22: Falando da sua morte em Basã (um tipo do campo de batalha espiritual), e da sua ressurreição, depois de ter triunfado sobre o seu inimigo, Satanás.(13) Salmo 71:6,16: Ele compara a ressurreição do Messias ao seu nascimento.(14) Salmo 110.1-2: O convite do Senhor Jeová para que Adonai viesse e se assentasse à sua destra. Este convite é desde os céus. Sempre que a Escritura aplica o nome Adonai, como em todo o livro de Jeremias, ou em Atos 2, se refere ao Messias encarnado, antes de retornar à sua primeira glória com o Pai.h. A visão dos profetas maiores: Isaías profetizou a respeito da sua satisfação após a sua morte, pela ressurreição:(1) Isaías 25:7,8: Era uma promessa de Deus aniquilar a morte.(2) Is 53:10-12 (Jo 19:36,37): A promessa de que seus dias seriam prolongados, uma alusão à sua ressurreição (Is 53:10).(3) Is 53:10: Que ele seria sepultado em uma tumba que não era sua.(4) Is 61:1-2: Que fala do seu trabalho na vida, na morte e depois de sua ressurreição. Daniel falou da sua chegada como ressurreto diante do Pai: (1) Daniel 7:13-14: Que se cumpriu depois de sua ascensão (Hb 1:2-14).j. A visão dos Profetas Menores: Os profetas menores falaram a respeito da sua ressurreição:(1) Zacarias 12:10: Zacarias disse que ele voltará com as marcas da sua morte, quando foi traspassado. Isto acontecerá por que ele ressuscitou.(2) Jonas 1:17; 2:1-10 (Mt 12:39,40). Jesus se revela maior do que o profeta Jonas. E ao terceiro dia ressuscitaria, sendo o vômito de Jonas um tipo do seu poder para pregar o Evangelho ao mundo.(3) Oseias 6:7: O texto explícito a respeito da sua ressurreição: após dois dias, isto é, no terceiro dia ele ressuscitaria. Não devemos esquecer que esses três dias são literais. Assim como ele cumpriu três páscoas no seu ministério de três anos (Jo 2:14; 6:4; 12:1—13:15); assim como ele esteve no ventre de Maria três meses na casa de Zacarias (Lc 1:56); assim como ele esteve três dias no templo dormindo no Santuário (Sl 27:10); assim como se transfigurou diante de três dos seus discípulos (Mt 17:23; Lc 9:22); assim como ele deixou Saulo cego por três dias (At 9:9); assim como temos que cumprir a ordem divina de batizar em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, ele mesmo profetizou a respeito de si mesmo que iria ressuscitar ao terceiro dia, segundo as Escrituras (Mt 16:21; 17:23; 20:19; Mc 8:31; 9:31; 10:34; Lc 9:22; 18:33).